Quarta-feira, 30 de Junho de 2010

Crítica ao “Clube de Sangue”, por Diva Saraiva

Depois de dois volumes magníficos (“Sangue Fresco” e “Dívida de Sangue”), somos presenteados com um terceiro onde Charlaine Harris volta a mostrar todo o seu talento para criar este mundo fantástico que nos prende desde a primeira página. Até este livro, apenas a realidade vampírica tinha sido desvendada, mas com este novo volume passamos a conhecer mais aprofundadamente outro lado da vida sobrenatural, nomeadamente a dos metamorfos, com o aparecimento de novas e emocionantes personagens, muitas destas sendo os perigosos lobisomens.

Nos dois primeiros livros a personagem principal, Sookie Stackhouse, (que trabalha num bar em Bon Temps, Louisiana), vê-se envolvida no mundo sobrenatural depois de ter conhecido o Vampiro Bill Compton, que veio a ser o seu primeiro amante. E depois do Sheriff da área cinco um vampiro belo, misterioso e perigoso ter descoberto a sua rara habilidade, ouvir os pensamentos dos humanos, ela sabia que os vampiros nunca mais a deixariam em paz, o que se veio a verificar. No terceiro volume, “Clube de Sangue”, Sookie vai conhecer novas personagens e envolver-se em novas e emocionantes aventuras.

 

Neste enredo é-nos revelado que a relação que Sookie tem com Bill começa a tornar-se mais distante, até que este tem de se ausentar, sob condições estranhas e desconhecidas. Apenas mais tarde Sookie vem a descobrir, através de Eric, que na verdade Bill foi raptado por vampiros do Mississipi. Descobre também que a traiu com uma vampira, e que, mesmo assim, tem de enfrentar sentimentos contraditórios e ir em seu salvamento. Para a ajudar nesta sua tarefa, Eric manda um lobisomem atraente e sensual ao seu encontro, e juntos passam por muitas aventuras perigosas, até encontrarem Bill.

 

Uma vez mais, Charlaine Harris mostra-nos como é possível conceber uma realidade tão perigosa e obscura como sensual e divertida, através de personagens bem estruturadas e únicas entre si. O único aspecto que alguns podem achar negativo é o facto de o final ser deixado tão em aberto que nos faz chorar pelo próximo volume!

 

Esta crítica fez parte do passatempo "Traição de Sangue".


publicado por sangue-fresco às 16:39
link do post | Dê a Sua Dentada | favorito
| | Partilhar

Crítica a "Dívida de Sangue", por Carla Carvalho

Após o fantástico primeiro volume, Sangue Fresco, Charlaine Harris volta a mostrar-nos a sua realidade fantástica: um mundo em que os vampiros "saíram do caixão" e andam no meio dos humanos lutando por direitos iguais e, ao mesmo tempo, julgando-se superiores. Contudo, neste segundo volume ficamos a conhecer uma realidade diferente da do primeiro livro, na medida em que um novo leque de espécies sobrenaturais é-nos apresentada, para além daquelas que já nos tinha dado a conhecer.

 

Depois de Sookie, uma empregada de bar sulista, ter conhecido o vampiro Bill Compton, a sua vida deu uma volta de 180º graus. O que outrora fora seguro e previsível agora encontra-se perigoso e inesperado. Muito à semelhança do primeiro volume, a história é desenvolvida a partir do envolvimento da personagem principal com o meio sobrenatural graças à sua capacidade invulgar de conseguir ouvir os pensamentos dos humanos que a rodeiam, e apenas dos humanos, pois, para bem da sua saúde, a mente dos vampiros continua a ser-lhe uma incógnita.

O livro começa com o assassinato de um colega e amigo de Sookie ao qual ninguém dá importância o que suscita uma grande suspeita da heroína. Mas por pouco tempo, pois logo a seguir, Sookie é atacada por uma ménade (uma criatura da mitologia grega) com o objectivo de enviar uma mensagem a Eric, um vampiro que é tão sexy como perigoso e que, ainda por cima, é o superior de Bill. Eric salva-lhe a vida, chamando uma peculiar doutora de criaturas sobrenaturais, e, em troca, pede-lhe para fazer um favor: usar as suas capacidades telepáticas em Dallas para descobrir um vampiro que está desaparecido.

 

Todo este enredo inicial, que alguns podem achar rápido e pouco coerente, apenas demonstra a grande capacidade que esta autora tem para agarrar o leitor, pois é praticamente impossível parar de ler. Além disso, atentando ao título original do livro "Living Dead in Dallas", o livro toma, rapidamente, o enredo que lhe dá o nome. É em Dallas que a história se passa, na sua maioria, e é lá que Sookie tem que se aliar a outros vampiros para se infiltrar na Irmandade do Sol, que é, nem mais nem menos, um grupo religioso anti-vampiros.

Sookie volta enfrentar situações de vida ou morte. Situações essas que nos são transmitidas através de uma escrita simples e eloquente, de maneira a transmitir-nos a realidade da natureza dos seus novos companheiros vampiros.

 

A acção continua até ao final do livro, como já tinha acontecido no primeiro volume. No final, parte que pessoalmente apreciei mais, é a vez de Sookie pedir ajuda a Eric para descobrir a verdade sobre a morte do seu colega. Com este pretexto, a autora leva Sookie e Eric a uma orgia, “obrigando-os” a envolverem-se para que descubram a verdade.

Em virtude do que foi mencionado, Charlaine Harris volta a provar-nos que se encontra entre os melhores autores de livros de fantástico dos nossos dias, revelando-nos uma história cheia de mistério, emoção e suspense, deixando o leitor agarrado até à última página… e ansiando pelo próximo volume!

 

Esta crítica fez parte do passatempo "Traição de Sangue".


publicado por sangue-fresco às 16:29
link do post | Dê a Sua Dentada | favorito
| | Partilhar

Crítica a "Clube de Sangue", por André Souza

Clube de Sangue, o terceiro volume da Saga Sangue Fresco, surge para nos trocar as voltas, na medida em que foge ao estereótipo de romance feliz, nomeadamente entre Sookie Stackhouse e Bill Compton. Depois de dois volumes a caracterizar aquele que seria um amor imensurável entre a telepata e empregada de bar Sookie, e o vampiro centenário Bill Compton, este terceiro volume que conta com misteriosos projectos vampíricos, desaparecimentos, novos pretendentes amorosos e traições, vem abalar o instável amor dos dois.

 

A acção deste livro desenrolasse em volta de um desaparecimento, o de Bill. Depois de alguns meses de romance, Sookie começa a sentir que a relação dos dois está diferente, e acaba descobrindo que Bill está envolvido num projecto secreto para a rainha dos vampiros do estado do Louisiana. Com a desculpa de que teria que se ausentar naquilo que seria uma missão perigosa para Seattle, Bill desaparece e eis que a intriga começa. Bill foi raptado ou simplesmente abandonou Sookie?

 

Depois de muitos dias longe de Bill, e de uma tentativa de assassinato levada a cabo por um lobisomem, Sookie recebe uma visita de Eric, que lhe revela que Bill lhe havia ligado e que retornaria a Bon Temps para terminar o seu relacionamento, mas algo aconteceu, e Bill desapareceu. Eric descobre que quem poderia estar por trás disso é o Rei do Mississippi, Russell Edgington, e que o mesmo planeia começar uma guerra entre reinos. Depois destas revelações, a nossa telapata decide procurar o seu vampiro e no seguimento dessa decisão dirigi-se então para Jackson, seguindo a pista de Eric.

 

E é em Jackson, que se desenrola a maior parte do climax deste livro. Há todo um mundo sobrenatural que é descoberto, tendo como ponto fulcral o bar vampírico Josephine também conhecido como Clube de Sangue. Um novo roll de personagens é nos apresentado e conforme as suas vidas se cruzam com a da nossa improvável heroína, eis que algumas aprendemos a amar, como Alcide e Janice Herveaux, e outras a odiar como a noiva de Alcide, Debbie Pelt ou ainda o novo companheiro vampiro de Tara Thornton, Franklin Mott.

 

Por entre muitas peripécias e lutas , Sookie acaba por salvar Bill, mas ainda assim não salva a relação. Sente-se traída e magoada. E este terceiro volume acaba com Sookie, a retirar o convite para a sua casa a Eric e a Bill, depois destes a terem salvado de um ataque de um grupo de lobisomens que a aguardavam em sua casa, após o seu regresso.

 

Para mim, Charlaine Harris supera-se a cada livro que escreve. Mantendo-se fiel sempre ao seu ritmo frásico espraiado com uma escrita simples e fluida, a escritora presenteia-nos, como já vem sendo hábito, com uma história envolvente, fascinante e viciante que entrelaça as vidas ou “existências” de enumeras personagens da mitologia fantástica americana  no dia-a-dia dos comuns mortais também vulgarmente conhecidos como humanos.

 

Esta crítica fez parte do passatempo "Traição de Sangue".


publicado por sangue-fresco às 16:23
link do post | Dê a Sua Dentada | favorito
| | Partilhar

Crítica a "Clube de Sangue", por Bexitah

Neste terceiro volume da saga Sangue Fresco, acompanhámos a viagem de Sookie Stackhouse a Jackson, Mississippi, para encontrar o seu namorado, Bill Compton, desaparecido durante uma missão para a Rainha do Louisianna. A seu lado, de modo a ajudá-la nesta procura, temos Alcide Herveaux, um lobisomem, contratado por Eric Northman, o Xerife da Área 5.

Charlaine Harris, através de uma escrita fluida e simples, continua a mostrar-nos como funciona a sociedade vampírica e, neste volume, dá maior profundidade à hierarquia da mesma e aos vários ramos que compõem o mundo sobrenatural. Além disso, dá-nos a conhecer mais seres sobrenaturais, como os lobisomens, os duendes e mais espécies de metamorfos. Com um ritmo estonteante, o enredo transporta-nos para um novo mundo, principalmente para o Josephine’s, o Clube de Sangue, um local de encontro de várias espécies, onde a maior parte da acção se desenrola, e onde nos é dado a conhecer novas e interessantes personagens, como Debbie Pelt e Franklin Mott. O humor e sarcasmo de Harris, espelhados nos pensamentos e diálogos da personagem principal, continuam impecáveis e nota-se evolução na personalidade mordaz e irónica de Sookie. Quem também tem evoluído é a personagem de Eric que continua misterioso e ganha um novo nível de protagonismo neste volume, devido, em muito, ao afastamento de Bill da vida de Sookie. Em todo o livro, os momentos de acção estão presentes, sem nunca cansar o leitor, graças a uma agradável narração e constante uso de metáforas e comparações (toda a cena de apresentação da mansão do Rei do Mississippi é absolutamente deliciosa com as referências a E tudo o vento levou e a Hugh Hefner e a sua mansão da Playboy).

Os fãs de Charlaine Harris não ficarão desiludidos com este volume, muito pelo contrário, já que é dotado de uma visível melhoria em relação às duas histórias anteriores e a apresentação de novos e interessantes enredos fazem antever a continuação desta maravilhosa e viciante saga por bastante tempo.

Destaque ainda para a magnífica capa e para mais uma excelente tradução de Renato Carreira. Parabéns, também, à editora Saída de Emergência pelo excelente trabalho que tem feito com a tradução e divulgação destes livros.

Nota: 8,5/10

 

Esta crítica fez parte do passatempo "Traição de Sangue".


publicado por sangue-fresco às 11:09
link do post | Dê a Sua Dentada | ver Dentadas (2) | favorito
| | Partilhar

Crítica a "Sangue Oculto", por Vera Bento

Sangue Oculto é até agora o melhor livro da saga "Sangue Fresco", na minha opinião.
Fala sobre bruxas, lobisomens, vampiros e metamorfos, uma boa mistura de criaturas míticas.
A sua história é muito emocionante, não só pelo facto de Sookie ter terminado o namoro com o vampiro Bill, mas por se aproximar emocionalmente do vampiro Eric, que era o que este mais queria. Eric tanto cobiçou Sookie, que finalmente, conseguiu tê-la, só é pena que ele estivesse amnésico durante esse tempo.
Esta história, está muito bem concebida, não fosse Charlaine Harris, uma das melhores escritoras e mais conhecida na América e agora também em Portugal.
Não só este livro mas também a saga, descrevem um mundo de fantasia, no qual muitas pessoas não se importariam de viver.
Este mundo de criaturas da noite é incrível e cheio de magia e segredos. Existem pessoas que sonham em se transformar numa dessas criaturas da noite, só ao lerem este livro.
As coisas parecem muito mais fáceis, quando existe alguém disposto a tudo para nos salvar, mesmo sendo uma criatura mítica.
Este livro mostra-nos um exemplo; quando o vampiro Eric salva a Sookie, de levar um tiro da Debbie, e acaba por ser ele a levar com o tiro, para salvar a Sookie.
Quem é que não sonha ter alguém assim ao seu lado disposto a cometer um acto como este?
É bom existirem livros como este, para fazer as pessoas sonhar e fugirem um pouco à realidade, embora mais cedo ou mais tarde se tenha de voltar à realidade.
Sangue Oculto faculta-nos essa escapadela da realidade e proporciona-nos voar entre mundos que nunca imaginámos existirem.
A maneira como as cenas são descritas no livro é fascinante.
Charlaine Harris tem uma imaginação incrivel, desde o inicio do livro, em que Sookie encontra o vampiro Eric amnésico, até ao fim onde o ajuda a recuperar a memória, enfrentando uma orla de bruxas, com a ajuda de lobisomens e metamorfos. Tudo isto acontece com muito romance e comédia à mistura, provando assim que vampiros, lobisomens e metamorfos conseguem conviver.
Aconselho a lerem este livro, porque está mesmo bombástico.
Esta crítica fez parte do passatempo "Traição de Sangue".

publicado por sangue-fresco às 11:03
link do post | Dê a Sua Dentada | favorito
| | Partilhar

Crítica a "Dívida de Sangue", por WhiteLady

Depois de ter lido e não ter ficado assim tão satisfeita como isso com o primeiro volume e já que o segundo estava disponível na biblioteca, resolvi pegar-lhe e ver se a coisa melhorava.

Desta vez o livro abre com Lafayette dentro do carro do xerife, morto. É Sookie que o encontra, e claro fica chocada, mas rapidamente isto é colocado de lado, para ela encontrar uma ménade, que lhe dá um recado (doloroso) para entregar a Eric, que depois a manda para Dallas para descobrir um vampiro. Lá faz o que tem a fazer, volta, e com a ajuda de Eric, porque Bill tem coisas para fazer em Dallas, descobre o que motivou o assassínio de Lafayette. E assim se resume a história.

A sério, os livros seriam muito melhores se tudo não se passasse a correr e tivesse uma linha coerente. Tal como no livro anterior, o assassinato inicial passa para último lugar o que me fez perguntar porque raio é que aquilo aconteceu se não era para lhe dar ênfase. Sim, porque neste livro (no original Living Dead in Dallas) é a parte de Dallas que tem mais destaque e percebe-se porquê. Numa época em que os vampiros são reconhecidos pela sociedade, surge um grupo, a Irmandade do Sol, que quer exterminar os vampiros e que suscita as mais variadas reacções, mesmo da parte de outras criaturas, como os metamorfos, ainda na clandestinidade por temerem repercussões como esta.

Mas a história segue-se bem, ainda que Sookie continue a mexer com os meus nervos e ainda me seja completamente indiferente a relação dela com Bill. Continuo sem perceber o que os atrai, sobretudo quando neste livro surge um Eric algo divertido e bastante calculista, exactamente como eu gosto e quero um vampiro. :D

Ainda não foi desta que me agarrou mas sem dúvida que não perderei a hipótese de continuar a ler esta série, assim que os restantes livros estejam disponíveis nas BLX.

 

Esta crítica foi originalmente publicada no blog "Este meu Cantinho..." e fez parte do passatempo "Traição de Sangue"


publicado por sangue-fresco às 10:55
link do post | Dê a Sua Dentada | favorito
| | Partilhar
Terça-feira, 29 de Junho de 2010

Sangue Fresco aos sábados na RTP1

Então este fim-de-semana a Patrícia deixou a dica nos comentários que a RTP tinha na sua grelha de programação Sangue Fresco aos Sábados à meia-noite, depois do Herman 2010. A dúvida que surgiu quando estávamos todos em convívio na chatroom era qual das temporadas é que eles iriam passar! Seria a terceira temporada ou a repetição das duas primeiras, que já tinham passado no início do ano?

A Miss Joanadas colocou em prática os seus dotes de "Miss Detective" e enviou-me a resposta, que se encontrava na TV7 dias, às nossas dúvidas:

 

 

 

Por isso, a partir deste Sábado, vamos poder rever a primeira temporada de True Blood, a um horário um pouco menos "vampírico", possibilitando assim que mais pessoas conheçam esta série que adoramos!

Obrigada RTP por darem ouvidos aos fãs!

Categorias: ,

publicado por sangue-fresco às 14:23
link do post | Dê a Sua Dentada | ver Dentadas (15) | favorito
| | Partilhar
Segunda-feira, 28 de Junho de 2010

3º episódio da 3ª temporada: It Hurts me too

Jessica's Blog: Where is Bill F**king Compton?
Ep. 27: Inside the Episode
Mais uma vez fica o link para o Yidio onde poderão ver o episódio de ontem.

Depois deixem os vossos primeiros comentários e reacções!!

Críticas em Inglês

Sookieverse

io9.com

TV.com

Buddytv.com

Vulture

The Critical Condition

Críticas em Português

Portal de Séries

TVDependente

 

Categorias:

publicado por sangue-fresco às 14:41
link do post | Dê a Sua Dentada | ver Dentadas (32) | favorito
| | Partilhar

Passatempo Traição de Sangue

Olá a todos.

A afluência ao passatempo foi muito menor do que esperávamos, o que é um pouco desapontante.
As críticas não irão a votos e todos aqueles que concorreram irão receber um exemplar do Traição de Sangue, o 6º volume da Saga Sangue Fresco.
Iremos publicar as críticas enviadas ao longo desta semana.

Obrigada e parabéns aos vencedores!

Categorias:

publicado por sangue-fresco às 11:05
link do post | Dê a Sua Dentada | ver Dentadas (4) | favorito
| | Partilhar
Domingo, 27 de Junho de 2010

Episódio 3 - It Hurts me too: Hoje

Como sempre, encontramo-nos na chatroom.

Categorias:

publicado por sangue-fresco às 21:23
link do post | Dê a Sua Dentada | ver Dentadas (1) | favorito
| | Partilhar
Email
Follow Me!

pesquisar neste blog

 

Últ. comentários

alguem pf tem o 13} em pdf e em port. eu preciso '...
Eu ainda vou a menos de meio dos livros e por isso...
canada goose image zen-o central park
Eu, simplesmente, deixei de criar expectativas com...
Quais são as vossas expectativas, pessoal do blogu...

Categorias

1 temporada(19)

1 vol. - sangue fresco(13)

10 vol. - segredos de sangue(7)

11 vol. - sangue ardente(3)

12 vol. - sangue impetuoso(2)

2 temporada(31)

2 vol. - dívida de sangue(13)

3 temporada(160)

3 vol. - clube de sangue(14)

4 temporada(154)

4 vol. - sangue oculto(17)

5 temporada(119)

5 vol. - sangue furtivo(6)

6 temporada(46)

6 vol. - traição de sangue(10)

7 temporada(25)

7 vol. - sangue felino(24)

8 vol. - laços de sangue(8)

9 vol. - sangue mortífero(6)

charlaine harris(91)

comic con 2009(4)

comic con 2010(6)

comic con 2011(3)

comic con 2012(6)

comic con 2013(1)

comic con 2014(2)

contos - um toque de sangue(4)

correio(7)

crónicas sf(10)

elenco(84)

fanart(31)

fanfic colaborativa(1)

fãs(83)

guia(2)

merchandising(7)

mini-episódios(13)

mov(6)

notícias(134)

opinião(31)

passatempo(62)

personagem(10)

prémios(8)

promoção(4)

rtp1(6)

s05e01(2)

sábado fangtástico(18)

série de tv(39)

the sookie stackhouse companion(1)

universo sf(23)

todas as tags

Arquivos

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Sangue Fresco on Facebook

Visitantes: